Arquivo | Microsoft RSS feed for this section

Smart Home: The Next Big Gold Rush

7 jun

All the big players have been gearing up for this for a long time. The first step was put the right device inside the house and put the remote control on people hands. This week, the “remote control leader”, Apple, announced that they will launch a new software platform for Smart Home.

The Home Kit will allow a developer to use a simple set of controls to toggle the states of devices or send commands to them. As expected from Apple, it will only work with devices the are part of the “Made For iPhone” program. This announcement, similar to announcements as iPod, iPhone, iPad and the MacAir, has the potential to be a trigger to start a new revolution. But this time, Apple will be not alone.

Microsoft bets on XBox for home entertainment, and they are thinking about ways to control the entire house someday, and this day is coming with the new Windows Phone 8.1. Embrace yourselves, because when the new smartphone apps integrate with the XBox and your Windows PC, the Cortana (Microsoft’s personal assistant) can be the hostess of your house.

Samsung wants a slice of this pie. The company already leads the U.S. Smart TV market and is growing fast in the smartphone market. It wouldn’t be surprising if the first words some people says when they get home were, “Hello, Galaxy”. But, if the Samsung devices are running on Android, Google, and the recent acquired Nest, will want join this club, and maybe reassess the Android @Home fiasco.

Let’s see what’s coming. And after this, the next: Personal Health.

Imagem

They got tired of playing on their smartphones and are going to play a bigger game

Anúncios

Um ótimo hiybbprqag day pra você

2 fev

A muitos anos atrás, antes do Google nos libertar, o mercado de  buscas na internet era dominado pelos buscadores de diretórios e metas, que possuiam um enorme banco de dados com websites indicados pelos próprios usuários e, até então, supriam as necessidades dos usuários de internet.

Com o passar do tempo, e o número de sites na internet crescendo exponencialmente, esta realidade foi alterada pelos famintos robozinhos do Google, que entram em um site e começam a vasculhar links para descobrir todos os dias milhões de novas páginas. Mas, desde o início e até hoje, um dos pratos favoritos destes robozinhos é o “buscador secundário”, que naquela época era representado principalmente pelo Yahoo! no mundo, e o Cadê? no Brasil.

Resumindo: Buscador buscando em buscadores por buscas mais buscáveis. Não deu pra enrolar a língua né? Poisé, mas quem se enrolou ontem foi um engenheiro da Google quando afirmou que “resultados de busca do Bing são uma imitação barata”. Segundo uma experiência realizada pela equipe do buscador, a concorrente estaria usando o Bing Toolbar e o Microsoft Internet Explorer 8 para copiar os resultados de buscas do Google.

Para comprovar a suposta “fraude”, a gigante das buscas criou cerca de 100 palavras inexistentes (como  “hiybbprqag”, essa sim enrola a língua!) e vinculou a sites que não tinham qualquer relação com estas palavras, depois disso, juntou uma equipe de 20 engenheiros em computadores com Windows recém instalado e Internet Explorer 8 com Bing Toolbar, todos com as opções de “sugestão de sites” e “colaboração para melhoria de serviços” ativados, e solicitou que estes engenheiros digitassem as palavras. Como que por mágica, cerca de duas semanas depois os resultados começaram a aparecer no Bing.

Tudo isso é muito lindo e conspirador, mas o que a Microsoft está fazendo é o mesmo que o Google fez desde o início, principalmente com o Yahoo!, buscando em concorrentes para ter melhores resultados. A diferença é que eles estão fazendo isso com o auxílio e autorização dos próprios clientes.

Como acontece

Se você optou por compartilhar informações anônimas para auxiliar na melhoria dos serviços Microsoft, ao fazer uma busca no Google, Yahoo!, Ask, Altavista ou outro buscador, a palavra que você utilizou são enviadas para Microsoft e esta envia para o Bing (muito inteligente, diga-se de passagem), uma vez que o mesmo não tem resultados para sua palavra, ele vai procurar nos concorrentes e, uma vez encontrada, sua palavra é vinculada ao site que está sendo listado no concorrente (muito perigoso, diga-se de passagem).

Em outras palavras, é como se você fosse dono do Walmart e o caixa do Carrefour te passasse todos os dias uma lista com os produtos que eles tem e você não tem. Concorrência desleal, mas a Google também não é puritana.

 

Microsoft dos anos 90

31 ago

Quando o assunto é “melhor empresa para se trabalhar” o nome da Google geralmente encabeça a lista. Horários flexíveis, alimentação gratuita variada, massagem para os funcionários, jogos durante o expediente e até aquela folguinha para dar um mergulho.

A mídia mostra a gigante das buscas como uma empresa liberal e inovadora na maneira como trata seus funcionários, fazendo com que profissionais da área alimentem o desejo de trabalhar na Google ou ainda, larguem qualquer outra empresa para isso. Alimentar a idéia e estar no topo de todas as listas faz parte dos objetivos da empresa, atraindo os melhores para seu grupo de trabalho.

O método de trabalho da Google não é exclusivo e nem mesmo inovador, a maioria das jovens empresas dotcom trazem consigo a idéia de deixar o profissional cada vez mais a vontade para desenvolver seu trabalho. Alías, entre as concorrentes da Google, temos a Microsoft que sempre levantou a bandeira de “faça como achar melhor, desde que cumpra suas metas”.

Antes mesmo da Google desabrochar, a Microsoft já era notícia aqui no Brasil e em todo mundo por sua maneira diferente de tratar seus empregados, mas com o aumento das responsabilidades e do quadro de funcionários a empresa teve que impor algumas restrições. Restrições que também estão sendo adotadas pela Google nos últimos anos, que hoje controla até o que seus funcionários comem, agora fica a dúvida: Será que com o tempo as empresas percebem que a produtividade não justifica/paga tais regalias?


Matéria sobre a Microsoft exibida pelo Fantástico nos anos 90.

 

Porque o Windows é tão ruim…

28 nov

Diversas vezes já me perguntaram o porquê de eu defender tanto o Windows, a resposta para esta pergunta é simples: porque ninguém mais o defende, pelo menos não no nicho de onde esta pergunta pode sair.

Sem dúvidas o Linux é estável, rápido e tem um baixo custo para máquina. Distribuições como o Ubuntu são suficientemente boas e fáceis para um usuário convencional que usa documentos de textos, planilhas, apresentações, lê e-mails e navega na internet.

Para mim, Linux é uma plataforma completa e muito interessante, porém não é comparável a toda responsabilidade que o Windows carrega. Responsabilidade? Sim, a responsabilidade de agradar 90% dos usuários de computador no mundo.

“Não podemos agradar a gregos e troianos”, tá aí uma afirmação que ninguém ousou fazer dentro da Microsoft nesses 23 anos de Windows. Segundo dados da Net Applications, no market share de sistemas operacionais o Windows fica com uma fatia de 90.46%, seguido pelo sistema operacional da Apple com 8.21% e pelo Linux com 0.71%, em um interessante 4º lugar vem o sistema usado nos iPhones com 0.33% do mercado.

Toda essa diferença para os concorrentes é uma vantagem? Financeiramente com toda certeza ainda é, mas quando o assunto é inovar/mudar o negócio é bem mais embaixo.

Interface: Lembro-me bem que quando o Windows XP saiu, minha primeira reação foi “que barra azul ridícula!”, achava aquilo feio e um grande desperdício de recurso. Como eu usava o Windows 98 no trabalho e o Windows ME em casa, acabei descobrindo somente meses depois que existia a opção do “tema clássico” e o “ajustar para melhor desempenho”.

Compatibilidade: Não tem coisa mais chata do que receber uma mensagem do tipo “Este aplicativo não é compatível” ou “Seu hardware não é compatível”, a Microsoft evita ao máximo mostrar isso para o usuário. O Windows possui deficiências que só poderiam ser corrigidas refazendo todo o SO.

Usabilidade: Outra coisa que me incomodava no novo Windows era o agrupamento de janelas, quando migrei do ME para o XP foi a primeira coisa que procurei alterar. Pelos dados que a Microsoft tem, mais de 90% dos usuários utilizam janelas agrupadas.

Por este último exemplo fica claro que se o Windows 7 não tiver a opção de “desagrupar janelas” e não der uma solução melhor, cerca de 14x o número de usuários de Linux ficarão decepcionados e poderão não migrar para nova versão. Pelo exemplo anterior, se a webcam integrada ao seu note não for compatível com o Windows 7, você com certeza não migrará.

O que quero mostrar com estes exemplos é que, nos níveis mais simples, para fazer qualquer alteração em uma nova versão, o Windows corre o risco de desagradar milhões de usuários e prejudicar seu modelo de negócio. Uma alteração mais brusca pode fazer com que softwares que você usa no dia-a-dia não estejam disponíveis na nova versão ou o hardware que você usa ocasionalmente cause um erro no sistema cada vez que plugado na máquina.

Os erros são outro ponto que pesa contra o Windows, não vou dizer que o sistema não tenha os seus próprios, mas nem todos são culpa do coitado. Hardware mal configurado, software mal desenvolvido e usuário mal informado ainda são as principais causas de erro no Windows.

O Windows foi feito para rodar em qualquer PC, seja ele montado pela HP, Dell ou pelo seu primo entendido. Graças a distribuição garantida, toda empresa de tecnologia quer fazer um software ou hardware compatível com os Windows, infelizmente nem todas conhecem ou obedecem aos limites do sistema.

Em um exemplo recente, a Google desenvolveu um software para o iPhone utilizando uma função do aparelho que nem havia sido documentada pela Apple. A produtora do smartphone não documentou pois ainda está em teste e pode causar travamento no aparelho.

Explorar funções desconhecidas do sistema é um trabalho árduo, que exige muito tempo e disposição, este é o princípio do vírus. Assim como as empresas de tecnologia apóiam seus produtos na distribuição do Windows, os produtores de vírus gastam seu tempo procurando falhas ou meios de criá-las para cumprir seu objetivo.

Entre os objetivos da pessoa por trás do vírus estão: expor uma falha, causar danos, fazer fama, roubar informações ou valores, entre outros, mas independente do objetivo, ele depende diretamente do número de usuários que serão atingidas e procurar meios de atingir 90% do mercado é bem mais vantajoso do que 8% ou 0.7%.

Usuários é o ponto final quando se fala de Windows, afinal todo sistema é voltado para ele. Se o sistema é voltado para ele e ele é o dono do sistema, porque economizar? Ele quer mais é utilizar ao máximo, instalar aplicativos, customizar, testar coisas diferentes, navegar sem barreiras, etc. Mas o sistema é como uma casa, quanto mais você o usa, mais ele ficará gasto e sujo, chegando a um momento que sem uma boa faxina você não conseguirá nem girar a chave.

O caminho mais rápido para o usuário comum geralmente é demolir a casa e começar novamente, eu já prefiro organizar e otimizar, mas daí vai da força de vontade e conhecimento de cada um.

Não ganho nada para defender o Windows. Como não sou um estudioso do sistema vou continuar perdendo em argumentos para os fanáticos concorrentes, mas continuo defendendo porque respeito o trabalho que a Microsoft desempenha para manter o sistema, e respeito ainda mais o desafio que ela tem pela frente.

A grande vantagem é que, querendo ou não, o Windows serve muito bem a mais de 90% dos 90% dos usuários mundiais de computador. Tenho meu Windows Vista e estou feliz com ele, e você?

PS: O pessoal do desenvolvimento do Windows 7 está dando um show de informações no blog, para quem quiser informações mais detalhadas do que comentei aqui acesse http://blogs.msdn.com/e7br/

* Fiz meu primeiro cursinho em Windows 3.11, o segundo em Windows 95 e meu primeiro computador trazia o 98. Mantive o 98 por 3 anos, mudei para o ME (Millenium Edition) por mais 3 anos e em 2004 comecei a usar o Windows XP. Em meados deste ano instalei o Windows Vista 64 no meu Turion 64 2.2Ghz com 2GB de memória e 160GB de espaço em disco.

Um iPhone no bolso e um Surface na sala

16 abr

Na amanhã (quinta-feira, 17) o Microsoft Surface começará a ser vendido nas lojas da AT&T nos EUA. Para quem não sabe, o Surface é um computador em formato de mesa com uma superfície dinâmica que permite o usuário ou usuários interagirem com os elementos da tela. Além disso o Surface também reconhece objetos físicos como celulares, câmeras digitais e cartões de crédito.

O foco inicial são as empresas, indústrias e instalações militares, mas a Microsoft já está trabalhando em uma versão mais barata para os clientes residencias, segundo o vice-presidente do departamento de aplicações e dispositivos especializados, o lançamento está previsto para 2011.

Preço atual da belezinha? 10 à 15 mil dólares.. Imagina só jogar banco imobiliário ou Yu-Gi-Oh em um negócio desse :X

Teaser da Microsoft

Apresentação para imprensa

Entrevista PopularMechanics.com
Nesse vídeo tem a tela digital, ideal para seu QG doméstico

Tio Bill apresentando
Esse é meio tosco, mas mostra bem as funções e é o Tio Bill que apresenta…

Passeando por lugares famosos com o Microsoft Photosynth

14 abr

Posso ficar tentando explicar o que é o Photosynth/Seadragon mas seria perda de tempo, só vendo o vídeo para ter uma idéia ou baixando o programa para ver algumas demos. Mas para encher linguiça vou colar algumas frases bonitas que achei pela internet :P

Photosynth é uma tecnologia da Microsoft que impressiona pelos seus recursos inovadores, voltados para experiências muito mais vantajosas com imagens. O novo recurso proporciona um ambiente dinâmico e totalmente interativo para os usuários.

Com ele, você vai poder conferir centenas de imagens unidas e relacionadas de acordo com um sistema inteligente que as organiza por similaridade, analiza suas informações, e cria verdadeiros ambientes 3D com apenas suas fotos em 2D. Dessa forma, você vai poder “caminhar” pelas galerias virtuais de imagens utilizando apenas cliques do seu mouse.

É um produto jovem e ainda está em aprimoramento, mas com certeza será mais uma bolada da Microsoft para os próximos anos. Não duvido muito que daqui a algum tempo isso esteja associado a esta simples busca por imagem que fazemos hoje, que aliás o Live Search atual dá de 10 à 0 no Google Images.

%d blogueiros gostam disto: