Tag Archives: filosofia

Música, Imagem e Conceito

4 maio

Usar a música em momentos indescritíveis sempre esteve presente nas artes desde o teatro até os filmes mais bem produzidos de Hollywood, sendo assim, na propaganda não poderia ser diferente. Passar uma mensagem através da música, levar o expectador a imaginar uma cena ou um sentimento é um dos principais requisitos de uma boa mensagem de 30 segundos.

A Coca-cola em suas peças institucionais explora isso como nenhuma outra empresa, porém, diferente de outras brands, ela cria músicas e melodias de acordo com a sensação que ela deseja passar e treina o expectador a receber e lembrar dessa sensação cada vez que a ouve.

Para esta estratégia ela usa comerciais mais longos (60 à 90 segundos), rodando massivamente durante uma ou duas semanas, incluindo letra e imagens detalhadas. Depois disso lança uma versão reduzida geralmente sem a letra da música, somente com parte da melodia, convertendo, no momento exato, a música em uma sensação.

Na peça “Mãe você é essa coca-cola toda”, a empresa utilizou poucas imagens e ao fundo a melodia da amplamente divulgada “Já chegou o natal” passando a idéia de harmonia e fraternidade natalina no meio do ano.

Continue lendo

Anúncios

Verdades e Mentiras

19 abr

Já dizia a música de Renato Russo, “mentir pra si mesmo é sempre a pior mentira”, não sei se a afirmação é de toda verdade, mas na sociedade capitalista do consumo essa “pior mentira” se repete a cada vez que o consumidor compra algo que nunca usa. Se não vai usar, por que comprar? Se não comprar, como saber que não vai usar?

A publicidade vende uma mentira que o consumidor gosta de comprar, e se sente bem por isso. O sujeito fumava o cigarro achando que todas as mulheres gostavam disso, e todas as mulher realmente achavam isso sexy, porque, assim como o sujeito, elas também compravam a idéia da propaganda. Um dia veio alguém e disse que o cigarro fazia mal, mas isso não influenciou no pensamento das pessoas. Então alguém veio mais tarde e disse que a propaganda alimenta esse mal e proibiu a propaganda. As pessoas compraram essa nova idéia e depois de um tempo começara a achar o fumante algo repugnante.

Beber cerveja atrai rodinha de mulheres gostosas, usar tal perfume faz com que aquela garota lhe dê atenção, beber coca-cola lhe faz ver o mundo de maneira diferente, ouvir samba[1990]-pagode[1995]-funk[2000]-emo[2010] faz você ser um cara legal, salve as baleias, os pandas e o mundo do aquecimento global. Viva isso tudo até que alguém proíba ou sugira uma verdade mais interessante.

Todo publicitário é um mentiroso, cria verdades superficiais que o consumidor (mentiroso de si mesmo) finge acreditar. Surge então um novo joguinho: me engane sem fingir, que eu me engano até acreditar.

Matrix: A realidade é uma mentira

12 abr

A realidade é um paradigma, é o padrão que todos acreditam e seguem por ser confortável, mas o filme Matrix vem com a proposta de que a realidade é uma mentira, um ciclo repetitivo criado e recriado por máquinas que usam o homem (seu criador) como meras baterias enquanto brincam de jogo da vida.

O filme entra fundo na mente do espectador, provocando seus sentidos e dizendo que este não sabe nem o gosto de um pedaço de carne, e que sua ignorância é uma benção. Porque seguir a mentira da realidade é ignorar o mundo como ele é, e escolher entre uma pílula azul ou vermelha é fazer a escolha de ver ou não o mundo de verdade, longe da sua zona de conforto, um mundo que tem problemas que estão além do seu alcance ao mesmo tempo que todo seu esforço o ajuda a não desandar.

Reconhecer que nada sabe sobre o que está acontecendo a sua volta é a primeira atitude para quebrar o paradigma da realidade e saber que a realidade/verdade como é vista pela sociedade padrão é uma mentira contada (e aceita) para fazer a própria sociedade se sentir bem. Mas diferente de Matrix, para o mundo atual, não existe reload, mas sempre há espaço para revolutions, ou melhor, evolutions.

A vida é chata, reinventar um mundo distorcendo a realidade é uma maneira de torná-la menos maçante. No filme, imitar a realidade é o meio encontrado para manter o espectador se sentindo em casa enquanto começa a mostra-la de uma visão totalmente diferente.

Na comunicação você precisa manter o receptor confortável, imitando, melhorando e reinventando o mundo em que ele vive para que a mensagem seja bem aceita e compreendida. A mímesis é a mensagem codificada confortavelmente oferecida ao receptor.

Um misto das respostas à perguntas sobre o poder da mímesis na comunicação e analogias no filme Matrix.

Filosofia, Publicidade e Propaganda, PUC-GO, 2º período

O que é mito?

5 abr

Mito é uma história contada sobre algo que existe ou aconteceu (tempo), falando de sua origem e muitas vezes detalhando o real ou irreal, ou ainda uma mistura entre os dois tornando mais crível a mensagem.

O ser humano precisa de pouco [tempo] para crer em algo e muito [tempo] para abandonar esta crença. A comunicação explora esta fragilidade humana para fazer o receptor acreditar, se apaixonar, recontar e espalhar mitos [verdades inventadas].

Inventar uma verdade (que pode ou não ser verdade) é a função básica da comunicação social. Criar mitos que logo se tornam reais e demoram para ser esquecidos.

%d blogueiros gostam disto: