Tag Archives: Google

Smart Home: The Next Big Gold Rush

7 jun

All the big players have been gearing up for this for a long time. The first step was put the right device inside the house and put the remote control on people hands. This week, the “remote control leader”, Apple, announced that they will launch a new software platform for Smart Home.

The Home Kit will allow a developer to use a simple set of controls to toggle the states of devices or send commands to them. As expected from Apple, it will only work with devices the are part of the “Made For iPhone” program. This announcement, similar to announcements as iPod, iPhone, iPad and the MacAir, has the potential to be a trigger to start a new revolution. But this time, Apple will be not alone.

Microsoft bets on XBox for home entertainment, and they are thinking about ways to control the entire house someday, and this day is coming with the new Windows Phone 8.1. Embrace yourselves, because when the new smartphone apps integrate with the XBox and your Windows PC, the Cortana (Microsoft’s personal assistant) can be the hostess of your house.

Samsung wants a slice of this pie. The company already leads the U.S. Smart TV market and is growing fast in the smartphone market. It wouldn’t be surprising if the first words some people says when they get home were, “Hello, Galaxy”. But, if the Samsung devices are running on Android, Google, and the recent acquired Nest, will want join this club, and maybe reassess the Android @Home fiasco.

Let’s see what’s coming. And after this, the next: Personal Health.

Imagem

They got tired of playing on their smartphones and are going to play a bigger game

Anúncios

The “dot” and the word that follows it

20 maio

No more hesitation, the moment of truth has come and now it’s all about your imagination and GoDaddy’s domain search saying the magical words: Good news, this domain is available. If you already did this, you will understand what I mean, or if not, maybe you will never have this misfortune of searching through dozen of names till you find an available one.

I'm feeling lucky about taking over the internet

The perfect-good-name.com represents a great opportunity for brands, recently Facebook bought fb.com for $ 8.5 million. Hotels.com domain, today the most popular hotel booking website, was bought for $ 11 million in 2001, two years later the company was acquired in a $ 1.1 billion deal. Evidently, the numbers are really impressive but the domains are losing relevance in a new internet.

In the next years, the Internet will be invaded by new generic domain extensions like .shop, .technology, .microsoft, .london and .guru, these domains will be on the same level as others Top Level Domains such .com and .org and they are already available for purchase. Will this change the relevance of the domains? I say that in no more than 5 years and these domains will not even exists.

Search engines will contribute first to this near future. While hundreds of new domain extensions will be great for new brands, they will be perfect for fraud too. All sizes of brands will loose some important domain names due to fraudulent activities. Like a super hero saving the brands, the search engines will intervene in search results ignoring the keywords that appear in domain name. Without relevance, why does the domain name needs to be so perfect?

Today, new users don’t care about domain name. Yes, observe a child or any new internet user and you will see that they don’t actually use the address bar to type the complete domain name, they know Google and Google says what is good for them. They might write the complete domain name in the search box but not in the address bar, but if they do it right it’s not a problem because the DNS can do it work. So, if the user just searches, why do the companies need a domain name?

Feeling lucky, take over the world. Come on, if you own the biggest search engine in the world and you make the most used internet browser, and this browser is silently updating itself every week, why do your users really need memorize a domain name? That’s easy. No search results, no money. But if you were the faraway second biggest search engine of the world and you make the second most used internet browser, why does your user really need to see the search results? Think about it. This is all still in its early stages.

How to not start your own website

19 maio

First of all think, why do you really need a website? In fact, there were dozens of reasons for someone do it some years ago, but today, there are few good grounds for spend money, time, and patience to create your very own home page.

My first piece of advice is simple: Your 13-year old nephew may know more about the future of the internet than most 30-year old experts. But no, he probably can’t create a glorious home page for you or your company. The Internet is just a few decades old, but it has been reinvented every couple years because people change their needs: children are getting on internet, mothers signing up on social networks, teenagers are running alway to mobile chat, and these tools will never be enought because people always want more, and the people make all systems blow. Ok, take a breath to go on.

For me, often a website is a race toward mediocrity, proof of this is that people pay media houses to buy some WordPress theme sold to thousands, make some changes on colors and logo, add a lot of unnecessary content and an image of someone smiling from Shutterstock, only to say “We are on Sesame Street and we open at 12.30!”. But they forget that Foursquare and Google Maps can do that for free with better results. Do you have photos? Instagram or Pinterest will help you. How about talk with your client? Facebook pages are public, just redirects your domain to the page and be happy. If you want to start selling online, maybe Shopify, Weebly or even old friend Ebay can help your company rise.

There’s an enormous gap between Amazon and the local business. It’s very important to offer your product to the client but a static home page will not increase your profits. Think about putting your energy on what your client needs using all that the internet can offer, without having to re-inventing the wheel.

What are your intentions for my new internet?

What are your intentions for the new internet?

Direito de ser esquecido

14 maio

A corte da União Européia acha que o grande colecionador de lixo não está sendo criterioso suficiente em seus resultados e disse que as pessoas tem direito de serem “esquecidas” pela internet. Sou favorável e, com uma boa interpretação do Marco Civil da Internet, acredito que o Brasil já está no caminho para decisões parecidas.

O objetivo inicial do Google era de indexar toda internet e, como uma bibliotecária maluca, vasculhar seus registros em busca do conteúdo que pessoas estivessem interessadas. Acontece que eles se perderam e começaram a acumular lixo, conteúdo irrelevante, excessivo e tão velho que, se fosse físico, estaria em em decomposição. E este foi o fator motivador da decisão do tribunal europeu.

No Brasil não estamos distantes disso, se você procurar pelo seu nome completo encontrará links de sites como JusBrasil e Radar Oficial expondo sua vida nas páginas de resultados dos buscadores. Isso acontece porque esses sites permitem que os robôs dos mecanismos de busca vasculhem sua “versão amigável” do Diário Oficial, uma informação que, na minha opinião, deveria ser restrito aos mecanismos dos sites dos Diários Oficiais e não estar misturado com resultados dos seus posts no Twitter, seu perfil do Facebook e sua opinião em um vídeo do YouTube.

Não se trata de direito de expressão, mas sim uma replicação que expõe a privacidade de qualquer um. Ser relevante, pertinente e contemporâneo não é uma tarefa difícil para quem consegue seccionar notícias, livros, produtos de lojas, locais, blogs, redes sociais, etc., mas se for tão difícil de imaginar como melhorar os resultados, vou dar uma dica: O PageRank foi concebido a partir de links de referência, então pode-se considerar que se a página está muito tempo sem alteração, tem poucos links para ela e nenhum site a cita há muito tempo, é lixo. A pessoa que busca por um termo tão específico ou sabe muito bem o que tem nessa página, ou não deve estar bem intencionada.

Aplicando a regra: Não existem muitos links para as páginas específicas do Diário Oficial e o conteúdo é estático, aplicando uma janela de, por exemplo, dois anos, nada muito antigo virá a tona. Sites de empresas sem atualização em dois anos devem conter informações desatualizadas e se, na era das Redes Sociais, não receberam nenhum link de referência novo é porque não são populares na internet. Notícias, fóruns, Q&A e outros sites com conteúdo automatizado revivem conteúdos sempre que voltam a ser relevantes.

Talvez alguns digam que isso restringirá o acesso aos resultados, mas só dirá isso quem está confortável com sua bolha e pensa que os resultados já não são filtrados mais do que deveriam. Conteúdos podem ser esquecidos e se empresas como Google tivessem isso em mente, problemas como o do senhor Mario Costeja González poderiam ser evitados.

Não sabe quem é o Mario? Pesquise no Google. Mas seja rápido, ele logo não estará mais lá.

 

filter_bubble

Google, The Garbage Collector

4 nov

Há um mês iniciei uma “operação limpeza” para eliminar meus resultados do Google. O objetivo era verificar quanto tempo levaria para o indexador trazer resultados mais frescos e “me esquecer”. Minha primeira ação foi examinar todos os resultados que o buscador trazia para meu nome (com aspas). Percebi que a maioria se referia a serviços web que utilizo, assinaturas em sites de clientes e fóruns e notícias que comentei.

A limpeza começou por ofuscar os resultados, para isso troquei os nomes usados em redes sociais como Facebook, Twitter, LinkedIn e Google Plus. Como o pessoal do Google Plus gosta de fazer uma novelinha para trocar o nome (veja na imagem abaixo), excluí o perfil sem remorso algum. Para o caso das notícias e fóruns, mandei e-mails pedindo a alteração do conteúdo e, por fim, alterei lugares onde meu nome estava escrito em páginas que eu tinha acesso, sobrando apenas este blog, que usando as configurações do próprio WordPress escolhi que meu site deixasse de ser visível para buscadores.

Alguém pode explicar para o pessoal de Mountain View que, no mundo real, as pessoas raramente são perseguidas por publicadores megalomaníacos com o objetivo único de explicitar e manter histórico de tudo o que elas fazem nas ruas?

Minha teoria era que em duas semanas os resultados começassem a sumir, fiquei surpreso ao ver que 3 dias depois eles já diminuiram de 1370 para 1350, e mais surpreso ainda quando percebi que, em momentos de crise, nosso Garbage Collector entra em desespero e começa a apelar.

O primeiro fator estranho é que o resultado contendo meu perfil do Google Plus não desapareceu, mesmo tendo sido o primeiro registro a ser excluído e ser algo dentro do seu próprio domínio. Até aí tudo bem, eles só estão protegendo seu produto, mas tudo muda quando no primeiro resultado você lê a frase: Uma descrição para este resultado não está disponível devido ao arquivo robots.txt do site. Saiba mais. Isso mesmo, Google só respeita seu robots.txt quando é conveniente para ele.

Google desrespeitando regras de robots.txt

Robots.txt é um protocolo criado em 1994 que visa proteger o conteúdo de páginas na internet. Segundo o Google, ele respeita as regras do protocolo e na teoria não exibe resultados onde o Robots.txt está limitando seus robôs de vasculharem o site.

Outro fator extremamente estranho foi que depois das páginas internas do blog sumirem o número de resultados mais que dobrou, indo de 1350 em 7 de outubro para 3390 em 25 de outubro (screenshot acima). Acontece que, ao não ter conteúdo interessante suficiente para manter seus números altos, o buscador preferiu abriu seu leque para serviços secundários como Twitter, que seria colapsado em uma busca comum.

Hoje, exatamente um mês após o início da limpeza, tenho 2940 resultados e tive mais uma surpresa: Google Garbage Collector restaurou links inimagináveis como meu Badoo, excluído há mais de um ano, meu flavors.me que parecia nunca ter sido indexado, um perfil do Sonico que nem lembrava da existência e dezenas de sub-serviços sem relevância alguma.

Resumindo: Imagine o Google como um paparazzi atrás de você 24 horas por dia, batendo fotos da fachada da sua casa (Facebook), gravando o que você diz entre uma roda de conhecidos (Twitter) e stalkeando sua vida profissional (LinkedIn), mas quando você diz para ele que já chega, que você não está mais afim de ser perseguido, ele começa a revirar seu lixo para re-publicar coisas como sua ida à padaria ou a tropeçada que você deu na calçada quando um dálmata listrado cruzou seu caminho aos 7 anos de idade.

Post-Scriptum

Apesar do perfil do Google Plus ainda não ter desaparecido dos resultados até hoje, as referências ao Facebook foram retiradas menos de 2 semanas depois de eu trocar meu nome na rede social. Já o LinkedIn foi alterado há alguns dias, enquanto isso Twitter esta lá e parece que não pretende se mover.

Fantástica história da falta de segurança no Facebook

25 out

Depois de uma famigerada matéria do Fantástico, rolaram comentários sobre a “falsa proteção do Facebook” e maneiras infalíveis de proteger sua conta solicitando aos seus amigos que alterem suas configurações de atualização. Em resumo: Bullshit!

Primeiramente, na minha opinião, quem acredita e perde tempo com folhetins dominicais televisivos tem mais é que se iludir e continuar repassando mentiras pela internet. Mas, por desencargo de consciência, devo informar que a alteração das configurações de atualização só altera a forma como o “Amigo” vê suas atualizações, e não o mundo público e depravado.

Um dos grandes problemas da internet hoje se chama Google (e seus correlatos), que incentivam pessoas a encher a internet de lixo, organiza esse entulho de forma extremamente duvidosa e oferece aos seus usuários um conteúdo reciclado baseado na experiência de seus amigos, vizinhos e semelhantes. Outro problema, é claro, é o próprio usuário da internet, que usa as redes sociais para escancarar sua vida aos sete ventos e espera que mesmo assim essas informações estejam seguras.

Mas voltando ao Facebook, as rotinas de segurança que teoricamente tornariam um perfil mais “seguro” se referem exclusivamente ao próprio perfil do usuário, sendo assim, nada que este usuário peça para seus amigos fazerem salvará sua identidade dos seres virtuais inescrupulosos que permeiam a internet em busca de informações fresquinhas sobre filmes assistidos, comentários da novela e o almoço do dia anterior.

O Facebook é uma ferramenta em evolução que traz cada vez mais opções que elevam a privacidade do usuário. A mensagem que rolou pela internet instruia as pessoas a ocultar “Comentários e opções Curtir” de forma inútil. Para fazer isso basta usar as ferramentas de privacidade do próprio serviço. Segue algumas sugestões explicadas em segunda pessoa, quer dizer, para você.

Continue lendo

%d blogueiros gostam disto: