Tag Archives: sentimento

Hora da verdade

30 maio

Este fim de semana, assisti o filme “Penetras Bom de Bico”, um filme hilário bem estilo enlatado americano com moral da história. Resumindo, são dois amigos que entram em festas sem serem convidados para pegar garotas, mas em uma das festas, um deles se apaixona por uma garota e ela por ele. Acontece que para entrar nas festas eles usam nomes falsos, mentem sobre status social e criam situações, tudo para impressionar as garotas e não serem expulsos da festa, quando ele é desmascarado é o fim do romance. Bolinha vai, bolinha vem ela perdoa ele.

Moral da história: a moça se apaixona pela essência do cara, não está nem aí pro seu nome real, sua família rica ou seu cartão de crédito, eles ficam juntos e vivem felizes até acabar o filme. Se a verdade saisse da boca dele a parte do “bolinha vai, bolinha vem” poderia nem acontecer.

Falar a verdade é arriscado demais e necessita de muita coragem, inventar/omitir/mentir é fácil e um ato covarde. Esperar ser desmascarado é cômodo, mentir mesmo depois de desmascarado é doentil.

Mentir é aceitável, só é preciso ficar atento a hora da verdade e não deixá-la passar.

Anúncios

Música, Imagem e Conceito

4 maio

Usar a música em momentos indescritíveis sempre esteve presente nas artes desde o teatro até os filmes mais bem produzidos de Hollywood, sendo assim, na propaganda não poderia ser diferente. Passar uma mensagem através da música, levar o expectador a imaginar uma cena ou um sentimento é um dos principais requisitos de uma boa mensagem de 30 segundos.

A Coca-cola em suas peças institucionais explora isso como nenhuma outra empresa, porém, diferente de outras brands, ela cria músicas e melodias de acordo com a sensação que ela deseja passar e treina o expectador a receber e lembrar dessa sensação cada vez que a ouve.

Para esta estratégia ela usa comerciais mais longos (60 à 90 segundos), rodando massivamente durante uma ou duas semanas, incluindo letra e imagens detalhadas. Depois disso lança uma versão reduzida geralmente sem a letra da música, somente com parte da melodia, convertendo, no momento exato, a música em uma sensação.

Na peça “Mãe você é essa coca-cola toda”, a empresa utilizou poucas imagens e ao fundo a melodia da amplamente divulgada “Já chegou o natal” passando a idéia de harmonia e fraternidade natalina no meio do ano.

Continue lendo

Matrix: A realidade é uma mentira

12 abr

A realidade é um paradigma, é o padrão que todos acreditam e seguem por ser confortável, mas o filme Matrix vem com a proposta de que a realidade é uma mentira, um ciclo repetitivo criado e recriado por máquinas que usam o homem (seu criador) como meras baterias enquanto brincam de jogo da vida.

O filme entra fundo na mente do espectador, provocando seus sentidos e dizendo que este não sabe nem o gosto de um pedaço de carne, e que sua ignorância é uma benção. Porque seguir a mentira da realidade é ignorar o mundo como ele é, e escolher entre uma pílula azul ou vermelha é fazer a escolha de ver ou não o mundo de verdade, longe da sua zona de conforto, um mundo que tem problemas que estão além do seu alcance ao mesmo tempo que todo seu esforço o ajuda a não desandar.

Reconhecer que nada sabe sobre o que está acontecendo a sua volta é a primeira atitude para quebrar o paradigma da realidade e saber que a realidade/verdade como é vista pela sociedade padrão é uma mentira contada (e aceita) para fazer a própria sociedade se sentir bem. Mas diferente de Matrix, para o mundo atual, não existe reload, mas sempre há espaço para revolutions, ou melhor, evolutions.

A vida é chata, reinventar um mundo distorcendo a realidade é uma maneira de torná-la menos maçante. No filme, imitar a realidade é o meio encontrado para manter o espectador se sentindo em casa enquanto começa a mostra-la de uma visão totalmente diferente.

Na comunicação você precisa manter o receptor confortável, imitando, melhorando e reinventando o mundo em que ele vive para que a mensagem seja bem aceita e compreendida. A mímesis é a mensagem codificada confortavelmente oferecida ao receptor.

Um misto das respostas à perguntas sobre o poder da mímesis na comunicação e analogias no filme Matrix.

Filosofia, Publicidade e Propaganda, PUC-GO, 2º período

Acústico como o vazio

7 fev

Ouvir Yellowcard no AOL Sessions, me fez perceber o quão vazias são essas batidas desplugadas acompanhadas de uma voz rouca sem alteração computacional. Talvez tão vazia quanto um sentimento.

Sentimento vazio é como uma dúvida no meio de certezas, ela está ali mas você não quer que esteja. Você sabe como eliminá-la, mas não sabe se quer que ela se vá. Vazio como olhar para o telefone e não querer que ele toque, mas continuar olhando esperando que aconteça.

Difícil de explicar, mas um dia você acorda e vê que está tudo bem novamente. It’s okay.

%d blogueiros gostam disto: